Mudar é preciso

Estou fazendo uma mudança importante aqui neste espaço. Vamos mudar de endereço para http://lajedeimprensa.wordpress.com. A alteração se dá pelo fato de que mudar é preciso: a Laje precisava de uma nova cara, um visual diferente, repaginado. Pena que o domínio não será o mesmo, mas esse é um assunto que também pretendo trabalhar.

Aqui, encontramos um arquivo de quase três anos de muitas risadas, algumas polêmicas e reflexões. Se Deus quiser, ele será preservado para sempre. Curiosamente, tudo isso vem no momento em que troquei a Laje pelo Media Center no GP do Brasil. Para comemorar, uma nova fase!

Bora para o http://lajedeimprensa.wordpress.com! Anote nos favoritos!



Escrito por Bruno Vicaria às 21h37
[] [envie esta mensagem] []



Borat Bassani e os Absurdettes

Uma homenagem aos fotógrafos do meu Brasil Varonil!



Escrito por Bruno Vicaria às 12h00
[] [envie esta mensagem] []



Já passou?

Levei três dias para voltar ao normal, depois do fim de semana em Interlagos. Ele, realmente, é tão cansativo quanto o dia em que acontecem o GP de Mônaco e a Indy 500 _considerado o mais trabalhoso da temporada.

Mas não há um pingo de cansaço que incomode, perto da magia que essa coisa tem. Já estava acostumado com os eventos daqui do Brasil, e alguns outros internacionais que já cobri, por isso levei este GP de forma bem tranquila.

A coisa mais chata são as coletivas. Tá, você tem a chance de estar em contato com o piloto, mas o contato é uma merda. Você tem um tempo delimitado para fazer as perguntas e precisa dividir os microfones com alguns curiosos que estão lá para fazer tudo, menos fazer uma cobertura.

Foi aí que eu vi que a melhor coisa era esperar a quinta-feira para ter uma ideia do que seria tudo isso. Chegou o dia, e o agito estava instalado: mal adentrei à sala e me puxaram para gravar o Linha de Chegada. Perdi a coletiva oficial, mas o programa foi um dos melhores que já participei. Valeu a pena, apesar da bronca de ter perdido a entrevista, mas nada que não dê para recuperar.

Mas a quinta não passou disso: pilotos circulando pelo paddock, nenhum querendo conversar contigo _a F-1, fora das pistas, virou uma coisa tão chata quanto São Paulo, onde não se pode fazer nada. Estava chato, mas, ao mesmo tempo, legal. Estar lá dentro vendo os carros indo para a vistoria, a preocupação dos mecânicos em impedir que os fotógrafos registrassem certas cenas era interessante.

OK, vamos aguardar a sexta-feira. E ela veio com tudo. A chuva em doses homeopáticas fez com que os carrinhos andassem forte, provocassem alguns estraguinhos e gerassem belas fotos. Depois do treino, era sempre legal acompanhar os pilotos falando sobre o dia. Aí, sim, coisas interessantes. Mas, ainda, achava tudo chato.

Aí veio o sábado, e a coisa mudou de figura. Com o caos que estava, fui sugado pelo espírito da decisão. Aquelas quase três horas de treino passaram como se tivessem acontecido em meia hora. Foi tesão. Ainda mais vendo a reação de alguns pilotos depois, como o Vettel. Acho que, no fim de semana inteiro, só o vi sorrir na coletiva de quinta.

Pole de Barrichello, entrevista coletiva, e ele me diz que conseguiu mijar duas vezes. Depois de gravar a entrevista, saí da sala e ganhei um aceno do pole. Ele era o centro das atenções, então vamos para a terceira entrevista dele no dia. Webber, Sutil? Quem se importa. O negócio aqui era Button e Barrichello. Nem Vettel importava.

Mas nada como o domingo. Naquele dia eu fiquei nervoso desde o momento em que sentei na viatura para ir à pista. A arquibancada enchendo, o movimento no paddock, o almoço tenso na Toyota _quase fui expulso de lá com a chefia pelo chefe da equipe_, a participação curta ao vivo, o sol, as nuvens, o caos na largada, o pneu furado, a captação da primeira entrevista do novo campeão, a frustração dos perdedores, a pauleira, a desmontagem, o fim.

Depois veio a festa, mas essa daí é melhor não comentar.

Claro, estou escrevendo apenas um pouco do que senti. A maior parte não deu pra traduzir em palavras, mas no sorriso que carreguei o tempo todo em que carreguei aquela credencial no pescoço.



Escrito por Bruno Vicaria às 02h12
[] [envie esta mensagem] []



Barulhinho bom...

 

Som de um F-1

Gravado no 3º treino livre do GP do Brasil, no último sábado



Escrito por Bruno Vicaria às 19h04
[] [envie esta mensagem] []



Tudo é legal, até o que é chato


É legal ter uma credencial, caminhar pelo paddock, ter acesso a todas as informações possíveis, ver os carros a centímetros de distância, os pilotos, conferir de perto como funciona as coisas, ver as gringas gostosas, parar o carro dentro do autódromo e ver o treino do topo da escada.

A parte chata: você não pode fazer nada, entrar em nada, tirar foto de nada e não falar com ninguém.

Mesmo assim é legal.



Escrito por Bruno Vicaria às 15h31
[] [envie esta mensagem] []



É muito legal...

... ter uma mesa reservada com seu nome na Sala de Imprensa da F-1.



Escrito por Bruno Vicaria às 23h02
[] [envie esta mensagem] []



Coletivas, por Luiz Alberto Pandini

Entrevistas de F-1...

Isso me lembra uma boa passagem da coletiva do tricampeonato do Senna, no MIS, em 1991.  Tinha um cara, Mauricio Le Petit, ex-piloto, que se meteu a fazer rádio ou algo parecido em Campinas.

A certa altura, após um discurso silvioportiano de cinco minutos, o sujeito disparou:

"Todos conhecem o piloto Ayrton Senna, mas poucos conhecem o homem Ayrton Senna. Então (mais dois minutos de enrolação), pergunto: quem é o homem Ayrton Senna?"

 Senna faz silêncio....

 E o Le Petit solta a pérola:

 "O seu silêncio me basta. Obrigado!"



Escrito por Bruno Vicaria às 19h03
[] [envie esta mensagem] []



Decisão

Interlagos não vai decidir título nenhum, acredito.. A não ser que uma catástrofe muito grande aconteça (e se tratando da zica de Rubinho nos GPs do Brasil, até pode acontecer). Por um simples motivo: não interessa para a Brawn decidir o título em São Paulo.

Esta é minha opinião: a Brawn é uma equipe, querendo ou não, pequena. A cada corrida, vem fazendo parcerias diferentes, como a da Itaipava por aqui. Vocês acham que ela deixaria escapar a chance de ter um patrocinador fodão árabe na corrida final? O carro não é mais o melhor, e eles não devem brigar pela vitória... Só assim para conseguir exposição!

A cara do Button no saguão do hotel hoje era de quem tava pouco se fodendo com o campeonato, pensando mais em vadiar por São Paulo e fazer compras no shopping. Rubinho parecia nervoso, mas muito sereno, bem diferente dos anos anteriores em que ele corria pra vencer.

Apesar de tudo isso que eu acho, a corrida deste fim de semana vai ser interessante. Como vem sendo todas as corridas em Interlagos, provavelente uma pistas mais fantásticas para corridas de F-1, por mais que digam o contrário.



Escrito por Bruno Vicaria às 18h42
[] [envie esta mensagem] []



[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]




Histórico
Votação
Dê uma nota para meu blog


Outros sites
Tazio
RaceTV
GP Total
Warm Up
Saloma do Blog
Comparsas do Blog
Blog do Téo José
Blog do Icoooooooo
Blog da Alessandra
Blog do Lívio
Pandini GP
Blog do Seixas
Blig do Gomes
Voando Baixo
A Mil por Hora
Blog do Fred Sabino
Blog do Capelli
Rodada Dupla
Blog do Grun
Shakedown
Blog Victal
Veneno Du Bem
Blog do Léo Murgel
Blog do Chitão
Velocidade Online
Radical Motors
Fotos Rodrigo Ruiz
Fotos Vinícius Nunes
Blog do Frazão
Blog do Creco
FotoBlog do Terena
Fábio Beretta Jr.
Luiz Razia
GT3
Stock Car



Locations of visitors to this page

Mural da Laje:







God Gave Rock and Roll To You



Christine Sixteen



Love Her All I Can



Bang Bang You



Combo
I Want You
Hard Luck Woman
Love 'em and Leave 'em




Up in smoke